Olá Visitante, seja bem vindo!
Faça Login ou Registre-se
Artes
Filmes e Séries
Games
Literatura
Música
Quadrinhos
Home > Para Ler > Matérias
O Jazz no Brasil18. 04. 2013
Música
Zé Gabriel
Zimbo Trio
 
Por Sergio Vilas-Boas*
 
Cerca de cem anos atrás, os músicos brasileiros, como os de qualquer outro país, começaram imitando os americanos tanto na formação de suas jazz bands (anos 1920 e 1930) e big bands (anos 1940 e 1950) quanto nas canções e na maneira de executá-las.

“A maioria das manifestações jazzísticas dessas épocas ocorria ao vivo e tinha um propósito dançante. O choro era o único gênero musical nacional às vezes encaixado no repertório. Mesmo assim, de uma maneira, digamos, um tanto quadrada”, diz o pesquisador Zuza Homem de Mello, autor de Música nas Veias (Editora 34) e Eis Aqui os Bossa-Nova (Martins Fontes).

Pixinguinha e seus Oito Batutas, no início, assim como a big band de Severino Araújo, em época posterior, incorporavam algumas tendências norte-americanas, mas não investiam no intercâmbio de influências. “Quando o Glenn Miller explodiu mundialmente, as orquestras brasileiras, que tocavam ao vivo em bailes e festas, já tinham a formação instrumental rigorosamente americana, com cinco saxofones, três trombones, quatro trompetes etc.”, lembra Amilton Godoy, pianista e integrante do Zimbo Trio.

Somente com a Bossa Nova, no final dos anos 1950, foi que o improviso, essência do jazz, passou a ser empregado em canções tipicamente brasileiras – o que propiciaria, nas décadas seguintes, a difusão mundial do chamado jazz brasileiro.

“Melodias e ritmos marcadamente nossos passaram a ser executados com a liberdade típica do jazz”, explica Zuza, “criando um conduto natural diferenciado em comparação com a música instrumental praticada em outros países”.

“Nós, músicos, nunca perdemos a chance de tocar aqueles belos standards da canção americana, claro. Mas todos (brasileiros e estrangeiros) ficaram tão encantados com Bossa Nova, que havia simplificado a execução daquela batida do samba, que viram nela uma poderosa fonte de inspiração para recriações”, conta Amilton. “Para você ter uma ideia, no início dos anos 1960 ainda não era possível gravar em vários canais, como hoje. Tanto que os dois primeiros discos do Zimbo Trio (1964 e 1965) nem eram estéreo.”

Zuza sublinha que a canção brasileira anterior à Bossa Nova não abrangia uma ampla possibilidade de execução. Os estrangeiros tinham dificuldade de tocar o samba e o choro, por exemplo; e as composições brasileiras interpretadas ao vivo nas rádios (anos 1930 e 1940) eram de difícil assimilação também. “A Bossa Nova, então, caiu como uma luva: forneceu aquela mesma rítmica do samba, porém com maior simplicidade e homogeneidade.”

Nos anos 1960, os músicos brasileiros trabalhavam em cima de canções da Bossa Nova, apenas. (O marco da Bossa Nova é a gravação, em 1958, de “Chega de saudade”, por João Gilberto, em um disco compacto.) Mas logo esse processo se expandiria ao infinito, englobando melodias procedentes de qualquer gênero ou estilo nacional – do samba ao xote, do baião ao frevo, da seresta ao maracatu. “A matriz rítmica brasileira é de um pluralismo incomum, e pulsa de norte a sul do país”, afirma Amilton.
                                                                                                                                                                            
Zé Guilherme

O 1º Festival de Jazz São Paulo-Montreux, em 1978, movimentou uma centena de músicos e dezenas de milhares de espectadores durante oito dias numa maratona sem precedentes. Entre os convidados brasileiros estavam Luiz Eça, Hélio Delmiro, Victor Assis Brasil, Raul de Souza, Márcio Montarroyos e a Rio Jazz Orquestra. “Esse festival cumpriu o importante papel de ser um aval para a nossa música instrumental, que se tornava cada vez mais sofisticada”, lembra Zuza.

Dois aspectos, na visão do pesquisador Zuza, permitiram que a música brasileira passasse a fornecer (em vez de apenas absorver) influências a partir da Bossa Nova: 1) o ritmo (a percussão) – o uso daquela escovinha pelos bateristas, por exemplo; 2) a melodia (improvisar sobre as linhas melódicas das canções brasileiras, que possuem uma graça e uma sensualidade marcantes). “Nossa música instrumental, hoje, é eminentemente internacional.”
 
IMPROVISO QUE SE ENSINA
 
Dos anos 1980 em diante a onda fusion (fusão de várias ideias, origens e tendências), da qual Miles Davis foi um dos principais expoentes, facilitou ainda mais a expansão das fronteiras da música instrumental produzida no Brasil. Nessa época, os ouvidos exigentes dos apreciadores de jazz mundo afora se deleitaram, por exemplo, com os emergentes Hermeto Pascoal e Egberto Gismonti. “Ambos, pela especificidade, pela elaboração e pela mescla de formas, chamaram a atenção da crítica”, lembra Zuza.
 
No jazz, os músicos tocam e se tocam. Amilton Godoy diz ter sido influenciado por George Shearing, pianista inglês radicado nos Estados Unidos (e cego), Oscar Peterson, Thelonius Monk, Lennie Tristano, Bill Evans, McCoy Tyner e Chick Corea.  “O disco Is (1969), do Chick Corea, me deixou paralisado”, lembra. “Nos anos 1950 não havia pianistas de ‘jazz brasileiro’. Mas o Moacyr Peixoto e o Dick Farney eram referências importantes. Moacyr era pianista do Brazilian Jazz Quartet, que tinha ainda o Casé (sax alto), o Rubinho Barsotti (bateria) e o Luiz Chaves (contrabaixo).”
                          Zé Guilherme
Amilton Godoy
Além de fundador (e até hoje pianista) do Zimbo Trio, grupo que completa 50 anos em 2014, Amilton dirige o Clam (Centro Livre de Aprendizagem Musical), no bairro de Moema, em São Paulo (SP). “Uma vez um aluno apareceu aqui falando assim: ‘Quero tocar como o Oscar Peterson’. Daí eu falei: ‘Eu também’”, brinca Amilton, referindo-se à importância que o indivíduo tem para os apreciadores de jazz.
 
“No jazz, você não compra a música. Você compra o instrumentista, na verdade. Eu, por exemplo, não me importava com o repertório do Charlie Parker, mas sim em como ele tocava. A especificidade reside na genialidade e na erudição dos intérpretes, que, além de grande conhecimento da história da música, dão-se o direito de criar em cima dos temas existentes.” Para Amilton, o improviso jazzístico é uma atitude tanto quanto uma técnica. “E pode ser ensinado”, enfatiza.
 
A CONQUISTA DO PÚBLICO

O público de jazz é um espetáculo à parte. Pensando nisso, Amilton Godoy, pianista do Zimbo Trio e diretor do Clam (Centro Livre de Aprendizagem Musical), cita um pensamento do dramaturgo espanhol Jacinto Benavente (1866-1954), Nobel de Literatura de 1922: “O verdadeiro artista não é aquele que cria obras para um público, mas sim que cria um público para as suas obras”.
 
O historiador Eric Hobsbawn (1917-2012), autor do clássico História social do jazz (1959), descreveu o indivíduo vidrado em jazz: “O amante de jazz surgiu da massa formada pelo público normal de música dançante e música pop, por uma espécie de seleção natural; mas a sua semelhança com esse público é tão pequena quanto a semelhança dos homens com relação aos macacos, dos quais descendem.
(...) Além disso, o fã de jazz não está interessado apenas no jazz enquanto música. Para ele, o jazz é um mundo, e muitas vezes uma causa, da qual os sons que emergem dos instrumentos são apenas um aspecto. A vida dos músicos, o ambiente no qual o jazz se desenvolveu, as implicações políticas e filosóficas desta música, os detalhes eruditos ou banais da discografia, também são parte importante desse mundo”.
 
ZIMBO TRIO

O Zimbo Trio nasceu em março de 1964 em São Paulo, formado por Luíz Chaves (contrabaixo), Rubinho Barsotti (bateria) e Amilton Godoy (piano). O termo Zimbo, retirado do dicionário afro-brasileiro, significa boa sorte, felicidade e sucesso. Zimbo era também uma antiga moeda que circulava no Congo e em Angola.

Em 1965, o trio passou a fazer o acompanhamento fixo do programa O Fino da Bossa, da TV Record, apresentado por Elis Regina e Jair Rodrigues, que divulgava novos talentos. O contrabaixista Luíz Chaves faleceu em 2007. Itamar Collaço (baixo elétrico) o substituiu. Em 2010, o contrabaixo acústico retornou ao grupo com a entrada de Mário Andreotti no lugar de Collaço.

Atualmente, além de Amilton e Mário, o grupo conta com Pércio Sápia (bateria). Em 2012, o Zimbo foi o vencedor na categoria Melhor Grupo Instrumental do 23º Prêmio da Música Brasileira, com o álbum Autoral (2011). Em 2014, completa 50 anos.
 
 
Durante a entrevista para essa reportagem, Amilton Godoy mostrou no piano a influência da música, principalmente no Brasil. Assista ao vídeo:
 
 
[+] Leia mais

A outra parte da reportagem especial: JAZZ NO MUNDO
 
 
*Reportagem publicada na Revista Almanaque Saraiva, edição de abril de 2013
 
Comentários (2)
Ângela Cristina da Silva Pontes - 28/04
Esta comemoração deveria ser permanente pois muitos adorão Jazz,e seria oportuno para os que não conhecem.
clayton silva de almeida - 27/04
Professor Amilton Godoy sempre fantástico! Um conhecimento técnico e sensibilidade fora do comum. Parabéns!
Comente você também!
Nome

Mostrado junto ao comentário
Email

Não mostrado junto ao comentário
Postar Comentário
CAPTCHA
Copie os caracteres que
aparecem na figura ao lado

Notícias
Visite nosso site de vendas
Arquivo
powered by Brado! Networks